Pular para o conteúdo principal

Agradecimento...



                       

À todos do CIEP Aracy de Almeida e seus amigos...

Força pra que ti quero...

         Coisas acontecem para nos fazer refletir... Passamos a semana trabalhando, rindo, brincando, nos estressando, chorando e ansiando para chegar sexta-feira. Sexta-feira chegou dia de alegria, pois estaremos em casa com nossa família durante todo o final de semana. No entanto, surpresas acontecem e nossa sexta-feira se transforma no caos, quero dizer, poderia se transformar no caos, se não fosse você (você que com sua contribuição fez do que poderia ser o caos numa oportunidade para reconhecimento e para agradecimento). É nessa hora que pedimos a Deus, forças. E pra que queremos força?


Não queremos força para não ter trabalho. Queremos força para trabalhar com satisfação;
Não queremos força para rir sozinhos. Queremos força para rir com os amigos;
Não queremos força para brincar. Queremos força para ter com quem brincar;
Não queremos força para deter o estresse. Queremos força para minimizar o estresse de alguém;
Não queremos força para não chorar. Queremos força para enxugar as lágrimas de alguém;
Não queremos força para chegar às sextas-feiras. Queremos força para nos alegrar todos os dias da semana;
Não queremos força para deter o incêndio (seja no sentido literal ou no sentido metafórico). Queremos força para enfrentar os incêndios.

         Por isso, OBRIGADA! Obrigada por você ser a nossa força. Por você ter sido uma gota que apagou o incêndio...

           Nossa equipe é mesmo, FENOMENAL !!!!!!!!!!!!!!!

                Direção do CIEP Aracy de Almeida (cantora)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA DO ÍNDIO - ED. INFANTIL, CRECHE E ARTES

O DIA DO ÍNDIO FOI COMEMORADO COM MUITA ALEGRIA NO CIEP. A EDUCAÇÃO INFANTIL DANÇOU AO SOM DE MÚSICAS QUE FALAVAM DOS HÁBITOS E COSTUMES DOS INDÍGENAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA, FIZERAM LINDOS INDIOZINHOS COM AS MÃOZINHAS PINTADAS DE GUACHE, PINTARAM O ROSTO E COLOCARAM O COCAR. ERAM VERDADEIROS GUERREIROS DA ALEGRIA. CONFIRA ABAIXO COMO FOI DIVERTIDO!


A PROFESSORA DE ARTES BETE FEZ COM SEUS ALUNOS COLARES E CORDÕES INDÍGENAS E UTILIZOU DE MATERIAL CORDÃO ENCERADO E CAPAS DE REVISTA E ENCARTES. (clique nas fotos para ampliar)
A PROFESSORA DE ARTES MÁRCIA GIOVANA PRODUZIU COM SEUS ALUNOS IMITAÇÕES DE MÁSCARAS INDÍGENAS UTILIZANDO DE MATERIAL PRATO DE PAPELÃO, PAPEL CREPOM E GUACHE.



















 TRABALHO SOBRE TRANÇADO INDÍGENA,




















 E PINTURAS DO DIA A DIA DOS ÍNDIOS COM GUACHE.

DIA DO CIRCO - EDUCAÇÃO INFANTIL

História do circo
O circo é uma expressão artística, parte da cultura popular, que visa a diversão e o entretenimento dos espectadores.

Há referências sobre o circo desde a antiguidade. Durante o Império Romano, por exemplo, grupos de pessoas ganhavam a vida fazendo apresentações na rua, nas casas de famílias nobres ou até mesmo em arenas destinadas às apresentações (anfiteatros).

Na Idade Média, grupos de malabaristas, artistas de teatro e bufões (comediantes) viajavam pelas cidades da Europa com suas apresentações.

Porém, foi somente em 1769 que o circo ganhou o formato que temos atualmente. Neste ano, o inglês Philip Astley organizou as apresentações circenses, destinando também uma tenda de lona para as apresentações. Estas seriam itinerantes (com mudança constante do local de apresentação). Embora enfrentem um período de crise na atualidade, os circos ainda fazem sucesso, principalmente nas reuniões do interior do Brasil. As apresentações contam com palhaços, shows musicais, malabaris…

1° DE SETEMBRO - DESFILE CÍVICO

Para discutirmos o sentido do Desfile Cívico de 7 de setembro precisamos realizar uma contextualização histórica em relação aos usos e significados que foram sendo atribuídos a este evento, bem como contextualizá-lo em relação a quatro conceitos os quais, embora muito semelhantes quanto ao seu uso na linguagem cotidiana, guardam especificidades, e que são NACIONALISMO, PATRIOTISMO, CIVISMO e CIDADANIA.





Comemorações do 7 de setembro aconteciam, de maneira relativamente informal e espontânea, desde a proclamação da República (1889) e originalmente havia apenas um Desfile Militar nas capitais, até porque os primeiros governos republicanos não haviam definido se a grande data nacional seria esta, o 15 de novembro, data da Proclamação da República ou o 21 de abril, dia de Tiradentes.







Foi no primeiro governo de Getúlio Vargas que os estudantes e algumas agremiações e Sindicatos foram agregados ao Desfile.

A “era Vargas”, muito embora possa ser dividida em 3 partes (governo ditatorial, de 1930-…